Amo essa canção!

08/08/2010

Pai...

Tem tantas coisas que eu gostaria de te dizer hoje, mas as palavras fogem do meu controle e se dispersam por idéias desconexas.
Eu sei que fui a criança com a qual você sonhou e quando eu nasci você já tinha mais de quarenta anos. Cheguei grande, forte, saudável e para sua alegria, diziam que eu era parecida com você. Não demorou muito para você se tornar o meu herói, meu pai amado, meu tudo, e apesar de você nunca ter me dado uma palmada eu lhe obedecia sem questionar, diante de um simples olhar que você dava para mim. Você era aquele tipo de pai que me ensinava a cantar, que me pegava no colo e cantava para mim, que me fazia adormecer em seus braços com suas canções de ninar, e mesmo que essas canções não fossem exatamente canções de ninar, elas acalentavam meu coração e me faziam acreditar que entre nós existia uma cumplicidade que ninguém, nesse mundo, seria capaz de abalar.
Como todos os pais amorosos, você fazia planos para o meu futuro. Lembra  de quantas vezes discutimos porque você dizia que eu seria professora, enquanto eu afirmava categoricamente, que seria engenheira? Você, machista como era a maioria dos homens do seu tempo, dizia-me que engenharia não era profissão para mulheres, porém eu não lhe dava ouvidos e tentava lhe convencer  de que as mulhres poderiam, muito bem, ocupar o cargo dos homens; acho que eu já gostava de quebrar regras, já era uma menina na contramão.
Aprendi com você o que era cidadania,  o que era política e num misto de orgulho e preocupação você dava respostas evasivas para minhas perguntas, tentando me manter longe dessas idéias. Você criou expectativas que eu nem sempre correspondi. 
Mas o tempo foi passando pai, e aos poucos você foi se afastando de nós, então eu passei a enxergar muitas coisas, entre elas o motivo dos prantos noturnos da minha mãe, que por sua causa sofria tanto.Você mentia para ela e passava noites e mais noites fora de casa, você a enganava dizendo que estava na fazenda, cuidando dos seus negócios enquanto na verdade estava mesmo era participando de festas que eram promovidas e patrocinadas por você, você a traía diante dos olhos de todos e eu a via sofrer calada, resignada, já que naquela época, ser traída pelo marido era menos pior do que ser uma mulher desquitada, com uma filha para criar. Quanta humilhação você a fez passar, pai! Sinto dizer, mas seria pedir muito que eu não tomasse partido naquela situação. Além de ser filha, eu também sou mulher!
Toda aquela admiração que eu tinha por você foi se diluindo nas dores e nos prantos da minha mãe.
Certo dia resolvemos, minha mãe e eu, lhe fazer uma surpresa e aparecemos, sem aviso prévio, em sua pequena fazenda. Mal sabíamos nós que a maior surpresa seria nossa, pois lá estava você, nos braços de outra mulher. Aquilo foi demais para nós, pai. Foi aí, então, que rompemos relações pela primeira vez e ficamos alguns anos sem nos falarmos. Eu era só uma adolescente e aquilo abriu uma ferida em meu peito que sangrou durante décadas.
Para mim era inconcebível sua infidelidade, sua falta de lealdade para com aquela mulher (no caso, minha mãe) que tinha seguido você pela vida afora por mais de trinta anos, que se desfez de tudo que tinha, um belo patrimônio, para embarcar em suas idéias, nem sempre sensatas, que ficou ao seu lado quando você estava entre a vida e a morte, que quando não tinha mais o que vender,  tirou do pescoço suas jóias mais valiosas, tirou dos seus dedos seus anéis dos quais tanto gostava, para comprar remédios para você, para salvar a sua vida, meu pai.
Ainda sou aquela mesma menina, a quem um dia você ensinou que honestidade não é mais do que obrigação e que lealdade é uma das maiores virtudes do ser humano e por isso mesmo rompemos  e só valtamos a nos falar depois de inúmeros apelos, sinceros, da minha mãe. Foi com ela que aprendi a perdoá-lo.
Alguns anos se passaram, eu me tornei  adulta e tentei entender a sua cabeça. De de certa forma, sei que obriguei você a fazer escolhas. Certamente não tinha esse direito, mas naquele tempo eu não pensava assim.
Hoje, vendo você tão velhinho, no alto dos seus quase 90 anos, me dói o coração, só de pensar que você não terá muito tempo pela frente, que está fraco, cansado e desgastado pelas rasteiras que a vida lhe deu, que talvez não sobreviva a mais um AVC...
Todas as vezes que nos encontramos nos abraçamos entre risos e lágrimas e todas as vezes que nos despedimos, com lágrimas escorrendo pelos nossos rostos, eu tenho a certeza que, apesar de tudo, eu te amo. Mesmo assim, fico me perguntando se a nossa história poderia ter sido diferente, mas o fato é que os caminhos que  escolhemos trilhar, nos conduziram ao que somos hoje, então, um misto de amor e dor me consome o peito, ao pensar que existem tantas coisas que não foram ditas por nós, que foram sufocadas ou ficaram  apenas subentendidas e que talvez não tenhamos tempo para falar sobre tudo que aconteceu em nossas vidas.
De qualquer maneira, hoje, penso que muitas palavras se tornaram desnecessárias, a essa altura da vida, que o amor e o perdão basta, nesse momento.

23 comentários:

Teresa Aragão disse...

Meu Deus, que coisa linda que vc escreveu Yoyo! Saber perdoar é tudo o que precisamos para ter Deus em nossos corações. Meu pai sempre foi exemplo de AMOR em nossa família, mas eu bem sei o que é uma traição , já que sofri na pele com meu marido há anos atraás.Mas consegui da a volta por cima e sacudir a poeira. Pai é Pai!
bjsssss

Danny disse...

Ola minha linda
Que texto lindo e super completo e verdadeiro.

Vim desejar uma ótima semana.
Falando dos meus finais de semana...Vai ser assim todo mês de agosto.Aff
Mas tbm ñ posso reclamar pois trabalho 2 vezes na semana, ai fica até chato reclamar né.kkkkkk

Vamos que vamos, força na peruca.Beijocas

Beth/Lilás disse...

Yoyo querida!
O uqe dizer diante de texto tão pungente!
E no final suas palavras foram perfeitas - amor e perdão - e é isto aí, fazer o quê nesta altura da vida?!
O importante é que ele sabe lá dentro tudo o que fez você e sua mãe passarem e deve doer-lhe na alma, vai morrer com isso. Quanto a vocês, superaram melhor com dignidade e altivez.
uma linda semana lhe desejo, bjs cariocas

Liliane de Paula disse...

Olá Yoyo, tive uma relação boa com meu pai, mas não consegui ama-lo. E ele foi até morrer um pai bem voltado para familia. Era alegre, cantante, trabalhador, responsável. Se ele tivesse sido um pai ausente, jamais desculparia, perdoaria. Acho cômodo as pessoas pintarem e bordarem e depois ser perdoado. Ou querer que se esqueça as dores que nos causaram.

Tati Pastorello disse...

Yoyo querida, que bom que você está tendo este tempo para perdoar. Certas dores não saem de nós, como certas imagens também não. Mas o tempo ameniza muitas delas, e nos ajuda a contemporizar, a refletir e dar o valor devido às coisas.
Que você fique bem, que oportunidades de reafirmar seu amor não lhe falte. Beijos.

Barbie Girl disse...

Menina, que texto profundo e emocionante!!

Que bom qua ainda sobra o AMOR E O PERDÃO!!

Beijos

manuel marques disse...

Lindo,lindo,lindo.

Beijo.

Mauro S disse...

Oi Yoyo, lindo o texto da sua vida, e profundo também.
Que bom que você perdoou, que em ti sobrou amor, apesar de tudo.
Beijos e uma linda tarde de segunda, Mauro

Mauro S disse...

Oi amiga, todos os sites que deixei no meu post foram testados antes, logo todos estão no ar, e valendo, claro.
Eu usava o Starmedia, principal deles naquela época, aí veio o Altavista que usei por muito tempo e um outro que não tenho certeza do nome, tão forte como o Google, hoje.
Beijos.

www.comtextosdavida.com disse...

Yolanda, somos amigas há muito e no dia dos pais eu pensei; o que a Yolanda vai escrever sobre o seu pai.Tentei me lembrar em que momento tínhamos conversado sobre ele e não conseguia me lembrar de nenhum momento,parecia que ele não existia. Agora eu sei porque minha amiga. Tenha certeza que tudo concorre para o nosso aprendizado. Você é o que é porque viveu estas experiências.
Texto comovente e sincero como vc sempre o foi.
bjs Lais

Eliane disse...

Yoyo, Que texto lindo. Expor sua historia não deve ter sido facil menina, tenho orgulho de vc amiga.E seu pai tambem pois te ensinou muito mais do que ele imagina.
Sobre minha tatoo, cozinhei a ideia por 20 anos. estou feliz com o resultado, pois ganhei mais que um desenho na pele ganhei o respeito de meu irmão casula e isso pra mim vale ouro.

Yoyo Pizy disse...

Obrigada Teresa.
Traição é algo terrível.
Bjos

Yoyo Pizy disse...

Danny
Boa semana pra você também, lindinha
Bjos

Yoyo Pizy disse...

Danny
Boa semana pra você também, lindinha
Bjos

Yoyo Pizy disse...

Beth
Muitas psoas confundem perdão com esquecimento mas acho que uma coisa é diferente da outra.
Beijinhos

Yoyo Pizy disse...

Paula
Certas relações são mesmo muito tumultuadas.
Bjos

Yoyo Pizy disse...

Sim Tati, ainda bem...
Bjos

Yoyo Pizy disse...

Obrigada Cíntia!
Bjo

Yoyo Pizy disse...

Obrigada Manuel
Bjos

Yoyo Pizy disse...

Tenha uma ótima semana Mauro
Bjos

Yoyo Pizy disse...

Nossa Laís...Eu nunca me dei conta que jamais falei dele com você.
Beijinho

Yoyo Pizy disse...

Obrigada Eliane!
O blog tem sido uma exclente terapia, uma forma de colocar para fora dores e angústias.
Bjos

Andrea disse...

Ai que saudade do meu..... ainda mais eu esqueci do dia dos pais... pois aqui o dia dos pais é em março..... vou tentar corrigir meu erro, ainda vou a tempo.


beijos