Amo essa canção!

17/09/2010

Perdão - Blogagem Coletiva Sentimentos

Essa é a última semana da Blogagem Coletiva Sentimentos, proposta pela querida Glorinha do delicioso  Café com Bolo. O tema escolhido para encerrar nossa blogagem foi o perdão; um grande tema, que abre para nós muitas possibilidades de reflexão.

O perdão está diretamente ligado ao arrependimento. Quando perdoamos alguém, é porque esse alguém, supostamente, se arrependeu de ter feito algo que, de alguma forma nos feriu e assim também é, quando alguém nos perdoa. Mas o perdão envolve outro sentimento que  nos dias atuais muito se prega e pouco se pratica: a humilhdade; na verdade, esse é um sentimento cujo significado anda sendo deturpado.
Não consigo falar em perdão sem abordar essas questões, como arrependimento, humildade e confiança.

Tenho visto muitos bandidos, ladrões mesmo, marginais, assassinos cruéis na televisão, se dizendo arrependidos e até pedindo "perdão" aos familiares de suas  vítimas, mostrando-se tão "humildes" que são até capazes de se fazerem acreditados por muitos, mas será que isso é realmente sinônimo de arrependimento? É muito fácil se dizer arrependido e pedir perdão quando algo saiu errado, quando seus planos foram frustrados e eles foram pegos. O verdadeiro arrependimento é aquele que vem espontâneamente, que vem de dentro para fora da pessoa, sem interferências de fatos externos, é aquele que,  pressupõe-se, estejam ligados aos princípios nobres do ser humano, é quando as pessoas reconhecem seus erros por conta própria e deixam, realmente, de praticá-los. Se dizer arrependido e continuar praticando os tais erros é ser, para dizer o  mínimo, cínico, "cara de pau". 

Somos seres humanos, somos imperfeitos e portanto, somos passíveis de erros, de falhas que muitas vezes causam estragos e  dores em alguém, que não somos capazes de imaginar as feridas que abrimos no peito dessas pessoas. Porém, não somos seres irracionais, temos o privilégio de sermos seres pensantes e acredito que muitas dores poderão ser evitadas se nos colocarmos no lugar do outro,  se avaliarmos, com antecedência, as consequências dos nossos atos, os estragos poderão ser minimizados ou até mesmo evitados.

Perodar, para mim, não significa dar o outro lado da face, infinitamente, para o outro nos bater, não significa manter relações cujos laços  foram rompidos de modo irreparável. Claro que não sou nenhuma santa, não quero e nem tenho a pretensão de sê-lo, mas  não costumo guardar mágoas por muito tempo, acredito que elas, realmente, fazem mal, não para quem magoou e sim para quem as guardou .
Já fui perdoada muitas vezes e já perdoei outras tantas, são muitas as histórias de perdão em minha vida e eu poderia ficar aqui digitando o dia inteiro, mas vou contar apenas uma delas, que vem de encontro ao que acabei de falar, que perdoar não significa reatar laços rompidos por falta de confiança. Senta aí que lá vem estória,rs.
Eu estava grávida da minha segunda menina quando fui morar em uma pequena cidade do interior (minúscula mesmo,rs). Lá, eu me sentia sozinha, desamparada, carente e não consegui fazer muitos amigos, eu tinha uma cabeça moderna demais para aquele mundo tacanho (sem querer ser pretensiosa nem preconceituosa).

Logo, conheci uma moça da minha idade, que também estava grávida (da sua primeira filha)  e suas idéias pareciam estar em sintonia com as minhas. Não demorou muito para que fizéssemos amizade e logo que demos à luz as nossas meninas, os laços de amizade ficaram ainda mais estreitos. Passamos a frequentar a casa uma da outra, a trocar experiências sobre nossos bebês, íamos juntas à determinada  praça, diariamente, levar nossas filhas para tomar sol e brincar, compartilhavamos um café todas as tarde em minha casa, confidenciávamos nossos segredos mais íntimos.

Pouco tempo depois, ela foi abandonada pelo marido que a maltratava constantemente, chegando até a estourar  um dos seus tímpanos, com um tapa. Fiquei demasiadamente comovida com aquela situação da minha suposta amiga, e simplesmente, resolvi assumi-la como a uma irmã; assim passei a ser o seu suporte psicológico, emocional e financeiro, já que o marido da mesma "se mandou", voltou para seu estado de origem e nunca enviou um centavo sequer para a filha deles, e já que a mãe da minha suposta amiga era uma senhora de idade, que lutava com dificuldades para ganhar o pão de cada dia.

Praticamente adotei a menina. Tudo  que eu comprava para as minhas filhas, eu comprava para ela também, desde brinquedos até roupas, que eu chegava ao cúmulo de comprar iguais, para a minha caçula e para a outra, que tem mesma idade. Passei a levá-la ao mesmo pediatra que cuidava da saúde das minhas pequenas, comprava todos os remédios que o médico lhe prescrevia e olha que não eram poucos, nem eram remédios baratos, pois ela era bem doentinha, diferente das minhas.

Após, uns três, quatro anos, talvez, diante de algumas atitudes dessa "amiga",  eu comecei a me dar conta que a minha amizade não era  correspondida como eu pensava, comecei a achar que  estava sendo usada, explorada financeiramente e fui ter uma conversa com ela, que prontamente me pediu perdão pelas  suas atitudes que me levaram a pensar dessa forma. Eu, naturalmente, acreditei na mesma e a perdoei, pela primeira vez. Começava ali, uma história de vários perdões.

Tempos depois, ela se converteu a uma determinada religião, acho que lá recebia alguma ajuda financeira, pois simplesmente se afastou de mim sem dar nehuma explicação, como se eu fosse uma má influência para ela e sua filha. Isso aconteceu duas vezes e nas duas vezes, ela se decepcionou com as escolhas, voltou pedindo perdão por ter desprezado uma amizade "tão bonita". Nas duas vezes, eu perdoei e tudo voltou a ser como sempre fora.

Depois de muitos anos, ela já estava trabalhando e em uma viagem que fizemos juntas, usou o meu cartão de crédito para fazer compras em algumas lojas de grife, cujo valor comprado foi altíssimo, mas eu acreditei que ela me pagaria, jamis imaginei que ela me daria um tremendo calote como aquele, porém....Foi exatamente o que aconteceu. Tive que parcelar o débito em 12 vezes, para não ter meu nome incluído no cadastro de maus pagadores, até porque, eu não estava passando por um bom momento financeiro. Fiquei muito magoada porém, mais uma vez a perdoei, considerando que ela não tinha maturidade suficiente para lidar com dinheiro.

Lembram quando falei do tímpano que que o marido da mesma havia estourado com um tapa? Pois é, ela fez a reconstituição; e advinhem quem deu todo suporte necessário? Sim. Eu mesma, que além de contribuir financeiramente, larguei mãe, filhas, marido e pedi licença do emprego, por um período, para cuidar dela, até que a criatura se recuperasse.


Anos mais tarde  fiquei muito doente, precisei fazer uma cirugia de grande porte  e claro que eu esperava dela um pouco de apoio moral, um ombro amigo, até porque eu estava muito, muito triste com certos acontecimentos da minha vida naquela época, além da doença, mas o que recebi dessa pessoa foi um desprezo total. Ela não tinha tempo (estava envolvida com um novo namorado), não tinha paciência e muito menos disposição para me ouvir ou me acompanhar durante a cirurgia, nem tão pouco para me visitar durante o pós-operatório. Voltei para casa depois de um mês, sem receber sequer um telefonema da tal "amiga". Ela  só apareceu em minha casa, 15 dias depois de eu ter voltado, ficou durante 20 minutos aproximadamente (não mais do que isso) e quando comentei o quanto eu estava triste com a sua atitude ela disparou o seguinte comentário, que explodiu como uma bomba sobre minha cabeça.
-Tenho mais o que fazer do que ficar paparicando você. Foi que ela disse.
Fiquei atônita e chorei, chorei muito naquele instante, chorei e lamentei quanto fui ingênua, o quanto fui boba.

Eu soube depois, por diversas fontes,  que confidências que lhe fiz, foram espalhadas ao vento.

Ela teve mais um filho com aquele namorado do qual falei, viveu com ele por um tempo e não me procurou mais. Depois, foi abandonada por ele também, e sozinha, muito carente, voltou a me procurar, dizendo que havia errado bastante comigo e queria consertar as coisas, para que a nossa amizade voltasse a ser  o  que um dia fora. Claro  que  eu não quis mais me relacionar com ela, risquei seu nome da  minha lista de amigos, sem no entanto, me tornar sua inimiga. Não lhe desejo o mal, quero que fique bem, porém, que seja longe de mim. Se eu a perdoei? Sim. Tenho o coração leve, a consciência tranquila de quem perdoa.

Com a maturidade compreendi que tudo na vida tem limite, até mesmo o perdão. 

* P.S- Quero agradecer a nossa amiga Glorinha por ter nos dado a oportunidade de vasculhar as gavetas de nossas mentes e compartilhar fatos, exeriências de nossas vidas, que de alguma maneira, talvez possam servir de reflexão para outras pessoas e muitas vezes, para nós mesmos.
Como ela mesma, a Glorinha, costuma dizer, "foi uma verdadeira catarse"!


* Créditos: Imagens daqui

15 comentários:

Tati Pastorello disse...

Oi Yoyo, fico imaginando o que não deve ter sido, para você, perceber que não tinha nela uma amiga, quando depositou tanto de si ali. Estas coisas machucam mesmo. É bom quando percebemos que é um sapato que não cabe mais!
Que bom que conseguiu perdoar. Perdoar não significa, em absoluto, ter que conviver!
Beijos.

disse...

Foi muito boa essa blogagem da Glorinha. Nos possibilitou muitos encontros e muitas lições. Sua história não é única, acontece por aí diariamente e infelizmente,a ingratidão é algo destrutivo na verdade,das boas relações. Mas de tudo podemos retirar os melhores aprendizados. Bjos

orvalho do ceu disse...

OI, querida Yoyo
Certamente, num futuro próximo, vc será largamente recompensada por alguém que vc nunca fez nada. A vida é assim, a gente é doador para uns e receptor pra outros.
Nada foi em vão.
Um bj em seu coração.

Liliane de Paula disse...

Querida Yoyo, vc perdoa demais. Eu não sei o que é perdoar. E vivo muito bem assim.

Glorinha L de Lion disse...

Amiga querida, e como! Bota catarse nisso! Hj foi vc! ouxa que estória viu? há casos e casos como eu disse lá no blog. perdoar a gente até perdoa, mas conviver com alguns que perdoamos, simplesmente não dá. Grande participação Yoyo, grande beijo e obrigada por ter vindo comigo em mais essa blogagem tão enriquecedora.

Isadora disse...

Yoyo que história a que você relatou e tiro o chapéu para você. Eu teria perdoado a primeira e talvez a segunda, mas não mais que isso. Já teria me afastado, mas que bom que não somos iguais, pois você viveu toda a amizade e hoje, pode deitar sua cabeça, em paz, pois fez e deu o seu melhor.
Um beijo

Chica disse...

Que linda reflexão dá pra fazer com tua história trazida.Pra tudo tem limites!

Linda participação!beijos e tudo de bom,chica

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...

Yoyo
Tenho grande dificuldade em desculpar pessoas como essa sua amiga,ela só pensou nela nunca em vc!Esse tipo de pessoa ñ nos faz falta, vivemos muito bem sem a presença delas em nossa vida!
Adorei seu texto!
beijo
bom fds

Lúcia Soares disse...

Yoyo, só um coração muito grande, uma ingenuidade de quem é pura, pra aguentar uma "sujeitinha" dessas por tanto tempo!
Horrível dizer isso, mas ela nunca foi sua amiga de verdade. Devia ter muita inveja de você e de suas filhas, por serem uma família feliz.
Mais horrível ainda, mas digo: o marido a deixou porque ela não devia mesmo ser boa coisa e por mais que eu seja contra a violência _ Deus me perdoe - mas ela "sabia" porque apanhava do marido.
Desejo que onde ela estiver, esteja bem, sentindo sua falta, e sabendo que desprezou uma amizade sincera.
(Menina, tô com "reiva" demais dela! rsrsrrs Mas vai passar. Nem lhe desejo mal, de jeito nenhum!).
Yoyo, meu carinho por você é enorme. Está de parabéns!
Você é um ser humano de qualidade.
Beijão!

Bordados e Retalhos disse...

Yoyo, que história né amiga? Mas querida de vez em quando eu me pergunto se os meus amigos estão no mesmo nível de relação comigo. Se eles me edtimam da mesma forma que os estimo.As vezes percebo que não é bem assim, que dou mais do que recebeo. Mas aí eu avalio pra ter consciência de que se eucontinuar com a amizade estou sabendo onde estou pisando. Mesmo assim as vezes me ferro. Mas também o que a gente faz de bom pro outro Deus vê, tenho certeza. Que você nunca mais querida encontre amigos tão sem maturidade para entender o que á amizade. Bjs

Beth/Lilás disse...

Yoyo!
Que história arrepiante!
Não consigo imaginar como fica o coração de uma pessoa tão magoada como foi você.
Esta pessoa é uma infeliz, por isso você a esquece, vive sem mágoas, pois sabe que ela ainda vai pagar tudo isto à vida.
Quanta desconsideração!
Você perdoa, tá certo, mas não dá pra esquecer, correto?
Bem, eu pelo menos sou assim.
um beijo grande carioca

*~* Coisas da Bruxinha *~* disse...

Amiga vim te convidar a participar do sorteio em meu blog de um pufe maravilhoso da Brasilazy.Espero vc ok ?? Bjs Leila

Mauro S disse...

Oi Yoyo, uma linda postagem, minha amiga.
"... perdoai as nossas ofensas assim como perdoamos a quem nos tenha ofendido..."
Será que perdoamos?
Mas tentamos!
E temos que saber perdoar, mas as coisas às vezes não são tão simples assim.

Procuro sempre que recebo comentários, visitar e retribuir os meus.
Não tenho este costume de fazer chat, aliás, não gosto disto.

Quando gostava de ler, deixava os meus olhos na última porque um livro bom, uma estória boa de umas 400 e poucas páginas comigo era lido em um ou dois dias, e não mais.
A vista ficava cansada aos extremos.
Já não basta as minhas dores infernais da LER, agora forcei a vista lendo 171 páginas em dois dias aqui no computador, de algo que escrevi, então dolorido em dobro.

Beijos e ótimo final de semana para minha amiga e feriadão para nós do RGS, dia 20/09, data farroupilha.
Mauro

Mônica - Sacerdotisa da Deusa disse...

Olá querida flor!
Amo suas visitinhas e o carinho que tem por mim. Saiba que a tenho no meu ♥.
Então flor, vc falou tudo! Humildade é algo muitíssimo importante, e como falta hj em dia né? Fico indignada!
Agora...meninaaaa que história mais forte essa hein? Que pessoa, puxa, é desanimador...ainda bem que vc percebeu e até já perdoou. Realmente, tudo tem limite! Que bom que vc tem rosas para dar, infelizmente tem pessoas que só tem lixo!
Beijinhos flor e ótimo final de semana.

Flores e Luz.

Nilce disse...

Oi, Yoyo

Amiga? Fiquei imaginando se não fosse. Terrível essa situação.
Perdoar faz bem. Quando conseguimos, temos uma sensação de alívio muito grande.
Mas conviver com a pessoa, jamais.
Agora os tropeços do nosso cotidiano, procuro evitar. Não é muito fácil, sou bocuda; mas nada de magoar. Aos que me ferem muito, perdoo, tento esquecer e ofereço o desprezo, procuro me afastar.

Bjs no coração!

Nilce